martedì 22 aprile 2014

22 abril 2014 16.04 Entrevista com Marcio Rangel Por Jazzly Duo

Entrevista com Marcio Rangel traduzida do site Accordi di Vita - Abril 2014 22 aprile 2014 alle ore 16.04 

Entrevista com Marcio Rangel Por Jazzly Duo

https://accordidivita.blogspot.it/
https://www.facebook.com/marciorrangel

  Pensamentos de Marcio ! Marcio Rangel, traz toda a energia na mistura musical afro-brasileira de tradição e inovação ; melodias que se propõem , ainda que complexas, Capturando o ouvinte a partir das primeiras notas !Não podemos ficar indiferentes quando a liberdade criativa dar seus passos na pauta.Vamos, então, descobrir um músico que tem muito a dizer para seus fãs como o público-alvo que ainda tem que encontrá-lo !

  Quais músicos que guiaram você em seu processo criativo? Não tenho preferência , eu adoro música em geral ; Eu tenho que dizer que, ao contrário do artista clássico brasileiro , eu nao comecei com o estudo do samba ou bossa nova , mas com o "Punk " ! Porque quando você é um adolecente são as coisas que você aprende imediatamente, você tem poucas notas para tocar.

 Com que idade você começou a .. 

Aos dezesseis anos

  Muito tarde ..!
Sim um pouco tarde, mas quando você tem o "dom " que toca em você ... (risos) . no começo foi difícil tentar algumas harmonias complexas , em seguida, com o estudo de artistas brasileiros , como Baden Powell,um dos violonistas brasileiros que mais amo ,tive um progressos . Eu acho que ele tem sido meu ponto de referência , era um "inovador " real , fundindo ritmos africanos , jazz, samba , etc . ; também Villa Lobos , Hermeto Pascoal ... Compositores e instrumentistas cito Toninho Horta , Tom Jobim , Chico Buarque, João Gilberto , João Pernambuco, Raphael Rabello , Rosinha de Valença ... Há muitos, mas estes são os que me atrairam e me fizeram amar a música e jazz , apesar de eu também ter escutado outros gêneros.

  Quais foram , então , as influências que você recebeu de outros gêneros de música ..
Eu também aprendi muito ouvindo guitarristas de jazz , rock e flamenco como Jimmy Hendrix, Wes Montgomery, Ritchie Blackmore, Paco De Lucia , Montoya, Mark Knopfler ; todos aqueles que têm um "estilo de tocar "; Eu acho que é importante na música ter seu próprio timbre , sua própria identidade. Existem milhares de artistas talentosos , mas eles são bons e basta. Eu sempre fui atraído por artistas que têm a sua própria identidade ; a técnica é importante, mas não suficiente por si só na música. O importante é quando você está no palco é o que você tem dentro coloca para fora ; é algo que não pode ser programado , como o que é capaz de transmitir Carlos Santana.Para mim Santana é Santana , você pode falar o bem ou mal, mas você pode reconhecê-lo !Tambem Grant Green, entre os meus favoritos no jazz ( sua poesia , o seu timbre , a alma eo ritmo inconfundível ... o balanço o swing ! Green foi muito subestimado , na minha opinião, não obteve o reconhecimento que merecia , e Django Reinhardt. "Ele tocava somente com dois dedos e fez coisas que eu com dez não posso fazer , fazia tudo de uma forma natural.

  O fato de que você mencionou Grant Green, "destaques" eu sou um fã seu ; e tenho a sua discografia completa!Você falou sobre ter um jeito especial na maneira de tocarr , e você é especial; explique um pouco a sua técnica ....
Em nossa arte o seu caráter fundamental , uma vez que é a base sobre a qual a forjar sua própria personalidade musical.Quando comecei a estudar no conservatório , eu sou canhoto , havia um professor de música que queria me ensinar a tocar com a mao direita , como ele não sabia como ensinar um canhoto !Então eu disse: "Ok, eu vou para o conservatório para aprender: a teoria da música , história da música .. mas a prática faço isso sozinho. " Esta tem sido a minha sorte , porque quando você é jovem e você aprende , você não tem conhecimento de como é importante o que você é capaz de fazer; que foi uma decisão crucial para a minha futura carreira.Além disso, meu pai conhecia um guitarrista o João de Deus , esquerdo como eu ; Na verdade, não havia livros ou referências que poderiam ajudar em aprender o básico ou arpejos canhotos.o primeiro encontro com ele foi realmente especial, porque ver um músico canhoto como eu me soou como era algo " estranho " . Considerado o fato de ter visto sempre as pessoas destras , mas os canhotos eram , como agora, uma raridade !Mesmo assim , porém, ele tentou explicar a sua técnica ; Parecia , de facto , que tocava com apenas dois dedos ; então eu comecei a me perguntar , por que eu deveria continuar dessa forma , apesar de ter cinco dedos disponíveis ! Então, eu passei três anos procurando encontrar uma técnica de posicionamento dos dedos que me permitisse de tocar como as pessoas que usam o lado direito !Sintetizando uma técnica , começando com a inversão do posicionamento dos dedos e , em seguida, tentando enriquecer os sons que eu produzia .

  Então .. você diz que tem uma execução musical de uma maneira diferente de um direito . 

 Sim em tudo : no som , timbre e !nos arpejos, na digitaçao dos acordes; acordes " canhotos " destros não podem fazê-los.

  Entao .. o uso da mão direita , qual è o principio que leva a esse papel .. 

 Você deve saber que cada canhoto tem a " sua" técnica como a de Elizabeth Cotten ( guitarrista dos anos 50 EUA ) que usava apenas o polegar e o dedo indicador.João Pernambuco no Brasil usou o polegar , indicador eo dedo médio . Se você toca , ao contrário, como para nós, os canhotos , você tem a possibilidade, "pianisticas" , porque você tem mais extensões ; mas também cepas de diferentes harmônicos. Um direito não pode tirar proveito dessas melhorias ; não por falta de habilidade , mas apenas por uma questão técnica.No ano passado eu toquei no Festiva Forlimpopoli antes Bireli Lagrene (que eu considero um dos melhores guitarristas de jazz manouche ), no final da noite veio me perguntar qual o instrumento que eu estava usando ...

  O feeling do seu trio (com Boltro e Tucci ) , mais cedo ou mais tarde, irá levá-lo para entrar no estúdio?

Certamente , veja a música não é só : ok eu sou bom , eu leio as notas e toco! Mas também se sentir bem em sintonia com as pessoas com as quais toca, energia positiva , uma mistura de muitas coisas ! Além disso, há uma troca de energia entre os musicos e a música flui e juntos criando uma sinergia de músical que sai naturalmente ; sem programação. A beleza da arte é isso, você não pode programá-la é apenas inspiração e liberdade ! Quando você começa a pensar : Eu coloco essa nota , eu mudo um acorde pra soar intelectual, etc . não é bom ; certamente existem artistas metódicos eles podem obter bons resultados, a " matemática " , mas eu sigo o meu caminho rico de liberdade " negra" e " respiro " ! Temos influências de índios brasileiros , a música negra ; temos esta arte " espontaneidade " da África ; se não tivéssemos essa cultura , o Brasil não teria existido !o Brasil não é só bossa , no entanto, é preciso reconhecer que a bossa criou um movimento cultural , que se estabeleceu em todo o mundo .

  Seus sonhos como músico , o que você gostaria de alcançar , com quem você gostaria de tocar ..

Devo dizer-lhe que eu nao tenho dos "mitos" ; respeito muitos artistas , isso sim !Eu acho que para um artista a ter um ponto de referência " um mito " não é positivo, porque , no final, a sua presença impede de crescer.Seus medos permanecem no interior ; você começa a pensar : " Ele é muito bom! Nunca vou tocar como ele. "Eu , eu te digo , eu respeito isso é diferente de ter um mito. No futuro , espero, como aconteceu com Flavio ( Boltro ) e outros, ser capaz de encontrar artistas com quem continuar a ter sinergia e depois " continuar " a tocar minhas composições ; nomes famosos não importam.E ter sempre tem a inspiração e iluminação para prosseguir a minha viagem criativa .
 
Obrigado pelo seu tempo Marcio ! 

Obrigado pessoal!

Entrevista por Jazzly Duo 

Nessun commento:

Posta un commento